terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Refugio

Caminhava por ali todas as tardes. Olhava por entre as arvores altas que pareciam riscar o ceu e procurava um arbusto confortavel, que lhe servira de travesseiro.
Deitada ali por entre as folhas, na terra úmida. O coração apertava de tanta dor, as lagrimas rolaram de seu queixo e se aconchegaram na terra que se encharcava cada vez mais.
Os gritos ecoavam pela mata,o coração se desapertava, por falta de lagrimas,os olhos secavam e a calmaria encontrava os gritos que se calaram os poucos.
Ao anoitecer, a escoridão profunda se entrelaçava com sua alma encharcada de melancolia.
Secou o rosto ainda molhado, levantou-se e limpou as roupas. Saiu sem olhar para seu refugio, caminhou durante alguns minutos e saiu de um lado da estrada. Do outro estava sua casa, branca com porta e janelas azuis.
Colocou um sorriso no rosto e voltou para sua grande mentira que todos chamavam de vida.



Marcela Alves

3 comentários:

Lia Araújo disse...

Meu coração também sentiu dor agora... e o grito não saiu!

bjos querida
força e fé!

Thiara Ribeiro disse...

Lembra o livro Lua Nova, qdo Edward vai embora da vida da Bella e ela fica sozinha na floresta.
^^

Lindo!

;*

♪ Nαdine. disse...

"Colocou um sorriso no rosto e voltou para sua grande mentira que todos chamavam de vida."

Esses "sorrisos" são sempre dolorosos.
Abraço forte.