terça-feira, 25 de maio de 2010

Cazuza

O amor é o ridículo da vida. A gente procura nele uma pureza impossível, uma pureza que está sempre se pondo. A vida veio e me levou com ela. Sorte é se abandonar e aceitar essa vaga ideia de paraiso que nos persegue, bonita e breve, como borboletas que só vivem 24 horas. Morrer não doi.

4 comentários:

Alguém... disse...

Morreu não doi, mas destroi :x

Luciana disse...

Cazuza ... eu adoro ele!

Patty Vicensotti disse...

Que lindoOO teu cantinho,as postagens :)
Seguindo também *_*

Um beijoO!

Mais um imundo no mundo impuro. disse...

Comecei a ler pelo texto e não pelo título e ai pensei, pera ai, eu conheço esse texto, posso não saber de quem é, mas já li, mas logo voltou a mente o nome do excelente autor, Cazuza, esse louco era e é tudo de bom!

Abraços Imundos...