terça-feira, 29 de junho de 2010

É mais ou menos assim...

Eu vou logo tirando a roupa, direto par ao banheiro, e depois fazendo toda àquela minha rotina que sempre faço antes de dormir.

Coloco aquele meu pijaminha confortável, penteio os cabelos dou uma regulada no despertador, e ai tudo começa.
Eu me aconchego na cama, coloco aquelas musicas antigas que a gente adora e quando fecho os olhos, eu vejo você.
Cada verso, cada palavra, cada frase, um momento diferente que vivemos. Foi pouco tempo, rápido e muito intenso né.
Eu não sei não, toda noite eu penso muito na gente e sei lá, pode ser bobagem, mais algo lá dentro, lá no fundinho onde guardo as lembranças, algo me diz que ainda não acabou, entoa eu vou levando. Minha mãe sempre diz:

- Nada melhor do que um dia após o outro.!



Marcela Alves

(...)" Diga uma palavra

Pra me acalmar
Me convença que um dia
Tudo vai melhorar
Abra os seus braços prá me refugiar
Eu quero amplificar..."

Eu quero ser como voce - Capital Inicial

quinta-feira, 24 de junho de 2010

Bem no fundo

No fundo, bem lá no fundo, a gente gostaria de ver nossos problemas resolvidos por decreto.
A partir desta data, aquela mágoa sem remedio é considerada nula. Sobre ela - silêncio perpétuo.
Mas problemas nao se resolvem, problemas tem familia grande, e aos domingos saem todos para passear, o problema, sua senhora e outros pequenos probleminhas.

                                       Paulo Leminski

quarta-feira, 16 de junho de 2010

Salva – Vidas

Eu estava em casa quando me dei conta de que havia realmente acabado. Não pensei duas vezes, desci as escadas e quando abri a porta observei aquela chuva fria que caia de vagar, molhando a minha varanda, aguando as minhas roseiras.

Lembrei-me de que hoje quando fui almoçar em um restaurante perto da revista onde trabalho, sabe lá onde você costumava me esperar. Uma senhorinha de botas escuras me parou no caminho e disse:

- Não deixa isso acabar, não seria justo terminar assim.

Antes que eu pudesse falar algo, a senhora foi desaparecendo no meio da multidão.
Como ela sabia do que eu precisava ouvir, eu não sei, mas aquelas palavras me fizeram um bem danado!
Então, Sai sem meu guarda-chuva, coloquei a touca da blusa, mas não adiantaria muita coisa.
A cada passo os meus pés ficavam mais molhados. Eu estava com medo de passar por aquela chuva, pegar uma super gripe e você nem estar em casa, mas mesmo assim resolvi correr o risco porque se não meu coração explodiria de saudades.
Aumentei os passos, comecei a correr, até chegar à sua casa foi uma boa corrida. Então você abriu a porta depois de eu ter batido varias vezes desesperadamente. Fiquei com uma certa vergonha, pois eu estava ensopada e ofegante. Você ficou abismado, me deu uma toalha e ficou perguntando o que aconteceu com o seu jeito desesperado.
Comecei a secar o cabelo e pensei “é agora!”. Você perguntou o que foi e eu comecei a falar:

- Não vir aqui para pedir desculpas porque eu não consigo me arrepender do que fiz, também não vim pedir para voltar porque eu sei que a gente não tem mais volta. Eu só vim dizer que te amo, e que você realmente é o cara. Eu sinto que embora eu não queira um dia isso tudo vai passar e quando passar eu vou saber que você definitivamente não era para ser, porque eu fiz a minha parte.
- Eu sinto também, que jamais vou te esquecer, mesmo se eu tiver uma daquelas doenças em que a pessoa perde totalmente a lucidez e as lembranças. E mesmo sabendo que a gente não tem mais volta, eu vou sair por aquela porta com um coração dilacerado que ainda mantém um pingo de esperança e vontade de recomeçar e se você não vir bem rápido esse coração dilacerado pulsara mais de vagar a cada dia em busca de um novo recomeço.”

Sai desolada, joguei sua toalha no sofá, meus olhos começaram a se encher d’água. Quando coloquei a mão na maçaneta da sua porta, você pegou na minha mão, foi se aproximando e disse bem baixinho:

- O que você não sabe é que eu sou cirurgião cardíaco, o meu dever é cuidar dos corações partidos.

Começou a me beijar de vagar. Fiquei sem reação, o meu coração começou a bater forte, a bombear o sangue bem melhor.
É acho que foi mais ou menos assim que você me curou.



Marcela Alves

sábado, 12 de junho de 2010

o bilhete que eu nao mandei.

Saudade de você, do seu abraço, das nossas conversas e das vezes que você me pegou no colo (ahuahuhua) eu nunca vou esquecer-me disso, pode passar o tempo que for.

Pode parecer bem estranho, só que toda vez que penso em você, tento me convencer de que preciso conhecer alguém o mais rápido possível, e de preferência que seja bem diferente de você. Confesso que já conheci muitos, mais só você pegou o meu coração e levou em borá junto com o meu sorriso naquela noite de sábado lembra? Eu me precipitei NE, desculpa!



Pode ir, eu te espero ta.. Quando você voltar eu estarei aqui, e depois é só você me chamar que eu vou...


Marcela Alves


"É impossível

Fingir que posso controlar
O que estou sentindo
É muito forte pra negar
Pra que resistir
Se eu sei que você também quer
Sabe que eu não vou seguir sozinha
Você tem a chave do meu coração "♫ ♫

terça-feira, 8 de junho de 2010

Dias de inverno

Todas as tardes quando chove, as tardes ficam tristes, as pessoas anda mais bem vestidas, com seus casacos e botas. Os casais apaixonados parecem não se incomodar com a chuva e quando da uma leve estiada, que um pequeno raio de sol aparece secando as pequenas gotas que se aconchegam nos bancos.

Caminhando com meu guarda chuva listradinho, eu passo por entre as ruas e observo os casais e também os jovens solitários sentados nos bancos das cafeterias se deliciando com o maravilhoso chocolate quente, que servem na livraria ali do lado.
Os casais idosos caminham em frente as lojinhas com seus cachorros e eu, bom eu gosto mesmo é de relatar, contar os detalhes depois de só observar. Fantasiar romances, olhando os casais que se dizem apaixonados.
E quando tudo isso acaba, volta os dias quentes onde eu posso em frente a sorveteria ouvindo a minha musica e vejo sempre aquele garoto dar tchau para mim quase sempre.



Marcela Alves

segunda-feira, 7 de junho de 2010

sábado, 5 de junho de 2010

Selinho

Este veio da Luciana do blog
menina dos olhos de mel


vem com um desafio :


1º Enumerar 3 sonhos:

1º - Ser dona de uma revista sobre jovens escritores desconhecidos.
2º - Ser feliz e radiante por muito mais que um dia.
3º - Viajar para fora do pais em lua de mel.. ( para Paris cocerteza! )

2º Enumerar 3 pecados/tentações:


1º - Romances
2º - CacauShow
3º - Sapatos

Estou indicando esse selo para :
1º - Luciana: Menina dos olhos de mel
2º - Lia Araujo: Amar-te-ei até ao tédio

3º - Thiara Ribeiro: Meu mundo inteiro

Obrigada Luciana!

quarta-feira, 2 de junho de 2010

“Esta tudo entre aspas”

Por entre as aspas que deixo no caminho “eu te amo”, já por entre as linhas deixo os meus sonhos, desejos e verdades implícitos, para que em você desperte o desejo de descobrir se você ainda faz o meu mundo girar.


Marcela Alves